Minha alergia

Textos | fevereiro 16, 2017 | By

Oi amorinhas, como vocês estão?

O post de hoje não é nada gostoso, mas é um assunto muito sério: alergia ao glúten!

Sim, a alergia ao glúten é real.

Não, a alergia ao glúten não é frescura. Dói. Machuca. Incomoda. Não é bonito.

Antes de contar o que aconteceu, vou falar um pouco mais sobre como descobri que era alérgica e o que mudou na minha vida quando resolvi cortar o glúten da alimentação.

A primeira vez que eu ouvi que glúten fazia mal foi quando eu morava na Austrália (2009/2010) e era tudo “gluten free” pra cá e pra lá. Coitada de mim, cheguei sem entender bulhufas daquele sotaque e fui trabalhar como garçonete! Corria pro chef pedir socorro porque eu não entendia nada do assunto. Na época ele me explicou que era moda e frescura das pessoas. Também disse pra não dar muita bola pro assunto (sim, juro!). Tá… na minha cabeça ficou que era algo insignificante, mas ao mesmo tempo bateu aquela curiosidade “por que faz mal?”. Infelizmente eu demorei pra ir atrás dessa resposta.

Alguns anos depois de voltar ao Brasil, enquanto minha mãe fazia tratamento, o oncologista dela mandou cortar tudo que tinha glúten e recomendou pra que eu seguisse a mesma reeducação alimentar. Certo, começou a adaptação e aquela crise do “não tem nada pra comer”. Esses detalhes eu vou contar em outro post, tá?

Com o tempo começaram a aparecer os benefícios da vida gluten free. O intestino começou a funcionar melhor, tive menos inchaço, menos espinhas… menos coceira! Coceira? Sim! Durante anos e anos eu sofri com uma coceira terrível no couro cabeludo e na sola dos pés. Perdi as contas de quantos remédios, shampoos, sabonetes e dermatologistas passaram na minha vida por conta dessa alergia e nada trazia resultado. Claro que não tinha resultado, remédio pra micose não cura alergia ao glúten, oras bolas! Um detalhe tão simples, que ninguém nunca considerou.

A alergia pode se manifestar de diversas formas e é individual, cada pessoa pode ter reações diferentes. No meu caso são feridas no couro cabeludo e nos pés, a ponto de sangrar e não conseguir encostar a cabeça no travesseiro de tanta dor ou passar sabonete nos pés de tanto que ardiam as feridas. Sim, era de chorar. Vez ou outra, são essas manchas vermelhas na pele. E claro, os efeitos se manifestam no intestino também.

O tratamento? Viver sem glúten. Bom, pra mim é fácil, né? Com o passar dos anos me acostumei e vivo muito bem, obrigada.

Essas fotos eu tirei no último sábado à noite, depois de não resistir e comer amendoim com aquela casquinha crocante… tá aí o resultado! Fica a lição pra dizer “não” ao amendoim e não sofrer com essas manchas e feridas no corpo, porque só um pouquinho também faz mal. (OK, bem feito pra mim, eu sabia e comi do mesmo jeito… me julguem!).

A intenção do post é: informar e alertar!

→ Glúten faz mal de verdade, pra todo mundo, mais ainda pra quem é celíaco ou alérgico.

→ O assunto é sério.

→ Pode ser muito pior do que essa alergia. Há casos de pessoas que chegam a entrar em coma por ingerirem glúten, mesmo!

Lembrem-se este é um relato da minha individualidade, da minha alergia, da minha saúde. Cada pessoa pode reagir de diferentes formas após comerem algo com glúten. Avaliem-se. Cortem o glúten da sua alimentação e vejam como muda pra melhor 😉

Nosso melhor remédio e prevenção é sempre a alimentação saudável e natural ♥

Nos próximos posts vou falar mais da contaminação cruzada e outros efeitos do glúten no organismo, tá?

Beijos e até mais ♥

Salvar

Salvar

Alimentação na infância

Dia-a-Dia, Textos | agosto 15, 2016 | By

download Olá pessoal, me chamo Aline De Faveri, sou nutricionista, trabalho em Balneário Camboriú, e fui convidada pela Chef Gaby para colaborar com o Blog compartilhando com vocês informações científicas, curiosidades, e um pouquinho do meu trabalho. Como este é o meu primeiro post, gostaria de falar sobre um tema muito importante, que é a Alimentação na Infância. Brincar é bom! Mas quando o assunto é a alimentação das crianças, não é brincadeira, é coisa séria!     Isso porque o hábito alimentar das pessoas, se forma na infância, principalmente na idade escolar e,  geralmente, erros alimentares das crianças, levam a dificuldades de aprendizagem e de concentração na escola, além de aumentarem as chances de atraso no crescimento, pois promovem o aumento de peso e de gordura, e podem ainda, levar ao desenvolvimento de doenças como: a obesidade, anemia, pressão alta, resistência à insulina, diabetes ou problemas no coração, por exemplo.

     Os erros mais comuns dos pais na alimentação das crianças são oferecer todos os dias alimentos ricos em açúcar e gordura, como bolachas recheadas, bolos, salgadinhos e refrigerantes, por serem os únicos alimentos que a criança aceita. E consequentemente, oferecer poucas verduras e frutas. Uma coisa é inegável, a criança crianc3a7as_que_nc3a3o_quer_comercostuma imitar o comportamento de um adulto que é sua referência, principalmente dos pais. E isso vale também para a alimentação! De nada adianta forçar seu filho a comer brócolis, se você não dá este exemplo a ele. Se os pais se alimentam bem, comem saladas e vegetais, comem frutas e verduras diariamente, e compartilham destes momentos com os filhos, geralmente as crianças irão copiar estes hábitos. Agora, se a criança sempre faz birra nas refeições, só quer comer doces, salgadinhos e comidas industrializadas, recusando sempre os alimentos saudáveis e nutritivos, você precisa educar o seu paladar.

     Para educar o paladar da criança com alimentos mais saudáveis, seja persistente e tenha bastante paciência. Pesquisas científicas afirmam que uma pessoa pode provar um determinado alimento por até 15 vezes antes de decidir se gosta ou não gosta dele. Por isso, se seu filho demostrar que não gosta de alguma coisa, insista pelo menos mais 10 vezes. Nessas horas, a criatividade auxilia bastante, varie os tipos de cozimento, de cortes e apresentações. Insista, mas não force. Espere para que ele tenha fome, e quando manifestar interesse pelas refeições ofereça sempre opções saudáveis e nutritivas.

    A falta de frutas, verduras e legumes prejudica o crescimento da criança, pois são alimentos altamente ricos em fibras, vitaminas e minerais, que contribuem para o crescimento adequado, desenvolvimento saudável dos músculos e ossos, do sistema imunológico e resistência a doenças, além de facilitarem o bom funcionamento do intestino.

     Uma boa estratégia para que a criança aprenda a comer frutas e legumes é variar a forma como estes alimentos são apresentados. A textura e a cor dos alimentos também influenciam no paladar. Se a criança não gosta de cenoura ralada, experimente cozinhar quadradinhos de cenoura junto com o macarrão ou carne moída para ver se desta forma ela come. Faça o possível para variar a aparência e as cores dos alimentos. Cozinhe pedacinhos de beterraba junto com o arroz por exemplo, isso garantirá um arroz bem colorido e mais atrativo. Utilize ainda, pratos coloridos, desenhos com os alimentos, alusão a personagens que a criança gosta, isso faz com que ela seja mais atraída pela hora da refeição.

     E não se esqueça, se o ambiente onde a criança se alimenta é de estresse e irritação, há uma grande probabilidade de fazer birras e rejeitar a comida, por isso mantenha uma conversa agradável à mesa com seu filho(a). E não se esqueça, alimentação saudável não é modismo, e uma mudança de hábito de vida, que irá melhorar a saúde de toda a família!!

Espero que tenham gostado, logo tem mais…

Uma ótima semana a todos!

Por Aline De Faveri – Nutricionista (CRN 10: 4545) 

 

As nutris do blog!

Textos | agosto 8, 2016 | By

Esqueçam tudo sobre dietas chatas e abram a mente a geladeira pra um mundo de delícias saudáveis! Com muito orgulho apresento hoje para vocês as nutris do blog!

Lindas, queridas e cheias de conteúdo, as nutricionistas Aline De Faveri, Andrielle Petry, Duane Bollmann, Geórgia Bachi, Jaqueline Maffezzolli e Michely Mandelli Micheleto, integram o time de autoras do blog. 

Em breve elas estarão postando textos com dicas e informações sobre alimentos funcionais e vida saudável.

Quer ler sobre algum tema específico? É só mandar um e-mail pra gente.

Não se esqueçam que é fundamental consultar uma nutricionista para manter um ritmo de alimentação saudável de acordo com suas necessidades. Conheça a especialidade de cada uma e agende sua consulta! 

Pra ficar por dentro de todos os novos posts é só se cadastrar aqui no blog:

Beijos e até o próximo post!

Gaby-Antezana---Assinatura