Minha alergia

Textos | fevereiro 16, 2017 | By

Oi amorinhas, como vocês estão?

O post de hoje não é nada gostoso, mas é um assunto muito sério: alergia ao glúten!

Sim, a alergia ao glúten é real.

Não, a alergia ao glúten não é frescura. Dói. Machuca. Incomoda. Não é bonito.

Antes de contar o que aconteceu, vou falar um pouco mais sobre como descobri que era alérgica e o que mudou na minha vida quando resolvi cortar o glúten da alimentação.

A primeira vez que eu ouvi que glúten fazia mal foi quando eu morava na Austrália (2009/2010) e era tudo “gluten free” pra cá e pra lá. Coitada de mim, cheguei sem entender bulhufas daquele sotaque e fui trabalhar como garçonete! Corria pro chef pedir socorro porque eu não entendia nada do assunto. Na época ele me explicou que era moda e frescura das pessoas. Também disse pra não dar muita bola pro assunto (sim, juro!). Tá… na minha cabeça ficou que era algo insignificante, mas ao mesmo tempo bateu aquela curiosidade “por que faz mal?”. Infelizmente eu demorei pra ir atrás dessa resposta.

Alguns anos depois de voltar ao Brasil, enquanto minha mãe fazia tratamento, o oncologista dela mandou cortar tudo que tinha glúten e recomendou pra que eu seguisse a mesma reeducação alimentar. Certo, começou a adaptação e aquela crise do “não tem nada pra comer”. Esses detalhes eu vou contar em outro post, tá?

Com o tempo começaram a aparecer os benefícios da vida gluten free. O intestino começou a funcionar melhor, tive menos inchaço, menos espinhas… menos coceira! Coceira? Sim! Durante anos e anos eu sofri com uma coceira terrível no couro cabeludo e na sola dos pés. Perdi as contas de quantos remédios, shampoos, sabonetes e dermatologistas passaram na minha vida por conta dessa alergia e nada trazia resultado. Claro que não tinha resultado, remédio pra micose não cura alergia ao glúten, oras bolas! Um detalhe tão simples, que ninguém nunca considerou.

A alergia pode se manifestar de diversas formas e é individual, cada pessoa pode ter reações diferentes. No meu caso são feridas no couro cabeludo e nos pés, a ponto de sangrar e não conseguir encostar a cabeça no travesseiro de tanta dor ou passar sabonete nos pés de tanto que ardiam as feridas. Sim, era de chorar. Vez ou outra, são essas manchas vermelhas na pele. E claro, os efeitos se manifestam no intestino também.

O tratamento? Viver sem glúten. Bom, pra mim é fácil, né? Com o passar dos anos me acostumei e vivo muito bem, obrigada.

Essas fotos eu tirei no último sábado à noite, depois de não resistir e comer amendoim com aquela casquinha crocante… tá aí o resultado! Fica a lição pra dizer “não” ao amendoim e não sofrer com essas manchas e feridas no corpo, porque só um pouquinho também faz mal. (OK, bem feito pra mim, eu sabia e comi do mesmo jeito… me julguem!).

A intenção do post é: informar e alertar!

→ Glúten faz mal de verdade, pra todo mundo, mais ainda pra quem é celíaco ou alérgico.

→ O assunto é sério.

→ Pode ser muito pior do que essa alergia. Há casos de pessoas que chegam a entrar em coma por ingerirem glúten, mesmo!

Lembrem-se este é um relato da minha individualidade, da minha alergia, da minha saúde. Cada pessoa pode reagir de diferentes formas após comerem algo com glúten. Avaliem-se. Cortem o glúten da sua alimentação e vejam como muda pra melhor 😉

Nosso melhor remédio e prevenção é sempre a alimentação saudável e natural ♥

Nos próximos posts vou falar mais da contaminação cruzada e outros efeitos do glúten no organismo, tá?

Beijos e até mais ♥

Salvar

Salvar

Gaby Antezana. Empreendedora e Chef da Queen's Bakery. Especialista em Gastronomia Funcional e Vida Sem Glúten. Apaixonada por maracujá, pimenta, chocolate, hard rock e heavy metal. Aqui vou compartilhar receitas de família e dicas para uma alimentação saudável e saborosa.